Reduzir custos na estrada é o objetivo de todo caminhoneiro, principalmente os autônomos. Saber controlar os gastos e evitá-los ajuda a melhorar o faturamento no final do mês. Mudanças no dia a dia podem contribuir para essa melhora na relação de entrada e saída. Entretanto, reduzir custos na estrada exige do caminhoneiro organização.

É preciso fazer ajustes em sua planilha de custos e encontrar algumas maneiras de obter pequenas economias.  Fazer um planejamento da rota, manutenção preventiva no caminhão, preparar a refeição no caminhão e até mesmo melhorar a maneira de dirigir buscando sempre uma economia de diesel podem ser o primeiro passo. 

Separamos algumas dicas para você começar a reduzir custos na estrada

Organização da caixa-cozinha e geladeira
Antes de iniciar a viagem, monte um cardápio básico para ter ideia do tipo de utensilio que irá precisar e quais alimentos não perecíveis consegue armazenar no caminhão. Caso o caminhão não tenha geladeira, escolha com cuidado os alimentos perecíveis para não correr o risco de estragar antes do consumo.
No caso do caminhão ter geladeira, monte um cardápio variado e inclua frutas e legumes, proteínas. Ter a geladeira no caminhão pode evitar reabastecimentos ao longo da viagem e consequentemente custos extras ajudando a reduzir custos na estrada.

Cozinha compartilhada
Com antecedência é possível combinar as rotas e o local de parada com os colegas. Na hora das refeições, cada participante contribui com algum alimento ou bebida, e as tarefas poderão ser divididas. Assim, cozinhar na estrada ficará mais fácil, prático, prazeroso e econômico. Sem contar que esse tipo de prática ajuda a reduzir custos na estrada. 

Planejamento da viagem

Antes de iniciar uma viagem é importante planejar todo o roteiro. Esse planejamento ajuda o motorista a definir os locais de parada, melhores preços de abastecimento além de já ter provisionado valores de pedágio. Atualmente existem aplicativos que ajudam a fazer traçar a rota, saber a quantidade de pedágios, interdições etc.. Feito isso, defina dentro dessa rota os locais para fazer as paradas, de descanso e de refeição. Observe a região em volta, se informe se o local permite o pernoite e oferece infraestrutura e segurança necessárias para o caminhoneiro. Nunca deixe para decidir os locais durante a viagem.

Quando o caminhoneiro estuda a rota consegue calcular o tempo de viagem e escolher estradas melhores para evitar aumento de custos de manutenção e diesel. Além disso, consegue se programar em relação ao frete de retorno evitando rodar vazio.

Consumo de diesel

Controle é o principal elemento que contribui para a redução do consumo de diesel. Sem ele não há como diminuir. Neste quesito, o engenheiro Antonio Lauro Valdivia Neto explica que é importante saber com precisão qual é a média de consumo do caminhão para se atuar na redução. “Sem controle não se sabe qual a média de consumo e se as ações estão ou não causando efeito positivo”, diz.

No mais, a redução passa pela forma de dirigir, na qualidade da manutenção, do combustível e até a calibragem dos pneus tem influência. “Motoristas que trocam a marcha no momento correto acabam freando menos, pois utilizam mais o freio motor. Por outro lado, manter o motor bem regulado, pneus calibrados e troca de óleo em dia também contam muito”. O engenheiro acrescenta ainda que fretes em distâncias mais curtas não resolve a questão da economia, porque também se recebe menos pelo transporte.

10 dicas para economizar combustível

“Outro elemento que pode contribuir para se queimar menos combustível na viagem é boa qualidade das estradas, pois se fossem melhores o consumo melhoraria, assim como a produtividade do caminhão”, acrescenta Lauro Valdívia, destacando que o modo de dirigir o caminhão é o fator que mais impacta no consumo, podendo chegar a uma diferença de 20%.

Manutenção Preventiva

A falta de manutenção preventiva no caminhão pode resultar em diversos problemas para os caminhoneiros. Entre eles está o comprometimento da segurança na estrada e os prejuízos provocados pela indisponibilidade do veículo. Somado aos atrasos das entregas, quebra de contratos, e perdas das cargas, por conta de tombamentos, saques ou vencimento de validade, as despesas podem ser ainda maiores. 

Manutenção preventiva é, em média, três vezes mais baratos que reparos corretivos. A economia está relacionada diretamente com o conserto dos veículos. As vantagens são ainda maiores quando levamos em consideração as perdas com paradas não programadas, cargas, garantia e outros.

Em geral, a revisão em caminhões deve ocorrer a cada 15 mil quilômetros rodados. E deve-se levar em consideração os componentes sensíveis como os freios, além de verificar cada sistema para garantir que não aconteçam paradas. A durabilidade dos freios está diretamente ligada às características de condução e da carga transportada. A regulagem das catracas dos freios mecânicas do caminhão e da carreta também devem ser levadas em consideração.

Outros pontos a serem verificados são a qualidade de óleo e filtros, que podem ocasionar a perda do motor, caixa de câmbio e eixo traseiro e os cubos das rodas, que são extremamente exigidos em veículos pesados e, em caso de quebra, pode resultar no desprendimento de rodas, podendo causar graves acidentes. Ficar atento a manutenção ajuda a reduzir custos na estrada.