Estimativas divulgadas pelo Sindmat (Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas de Mato Grosso) revelam que o valor do frete cobrado pelas cargas transportadas em todo o Estado deve aumentar 15% no início deste ano. Segundo o diretor-executivo da entidade, Gilvando Alves de Lima, a alta ocorre devido à demanda registrada no período de colheita da soja a partir de fevereiro e a outros fatores como reajuste do óleo diesel, mão de obra e preços dos caminhões.
Outro aspecto que pode contribuir para o reajuste, acrescenta o diretor do Sindmat, é a aplicação da cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias (ICMS) no transporte intermunicipal. “Vai ter um ônus dentro do próprio Estado, por isso estamos encaminhando um documento, em caráter emergencial, para buscar um entendimento com a fiscalização”.
Atualmente o preço da tonelada de grãos transportada desde o Médio-Norte mato-grossense até a região de Alto Araguaia é de R$ 85, custo que deve alcançar $ 104 no auge da colheita da soja, em meados de fevereiro.
De acordo com Dirceu Capeleto, diretor de uma empresa de transportes da região, por causa da demanda sazonal durante a safra é característico que os preços do frete aumentem até 40% no 1º trimestre em Mato Grosso, em comparação com o restante do ano. “De setembro em diante, principalmente, o frete desce muito e alguns até operam no prejuízo”, pontua o executivo.
Ainda segundo Capeleto, o reajuste médio deve fechar 2012 em 5,5%, conforme tabela tarifária da Agência Nacional de Transporte de Cargas (ANTC), incluindo custos variáveis e fixos, até mesmo alguns novos, como a taxa de aferição de tacógrafo.

Fonte: A Gazeta – ES